terça-feira, março 27, 2007

Mas alguém tem dúvidas que este país sempre foi maioritariamente salazarista...

O povo só saiu à rua no 25 de Abril porque foram os militares a tomar a iniciativa. Somos um país de cagões... As pessoas falam, falam, mas não as vejo a fazer nada. Por isso temos nos mais altos cargos da nação dois idiotas salazarentos...

quarta-feira, março 21, 2007

Do poeta a que sempre regresso...

Mas que sei eu das folhas no outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?
Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono
Nenhum súbito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha
qualquer. Mas eu sei que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha

Ruy Belo "Mas que sei eu"

segunda-feira, março 12, 2007

A todas essas pessoas... vocês sabem quem são...

“ – Não se ria, que são as pessoas como ela que fazem deste mundo cão um sítio que vale a pena visitar.
– As putas?
– Não. Putas todos o somos, mais tarde ou mais cedo. Eu digo as pessoas de bom coração.”

“Bea diz que a arte de ler está a morrer muito lentamente, que é um ritual íntimo, que cada livro é um espelho e que só podemos encontrar nele o que já temos dentro, que ao ler aplicamos a mente e a alma, e que estes são bens cada dia mais escassos.”

Carlos Ruiz Zafón “A Sombra do Vento”

Ouvido no Dr. House...

nd gravity wants to bring me down

Oh twice as much aint twice as good
And can't sustain like a one half could
It's wanting more
That's gonna send me to my knees

Oh twice as much aint twice as good
And can't sustain like a one half could
[ these lyrics found on http://www.completealbumlyrics.com ]
It's wanting more
That's gonna send me to my knees

Oh gravity, stay the hell away from me
And gravity has taken better men than me (Now how can that be?)

Just keep me where the light is
Just keep me where the light is
Keep you all where the light is
Just keep us where the light is
Ohh.. where the light is!

Just keep me where the light is
Just keep me where the light is
Keep you all where the light is
Just keep us where the light is
Ohh.. where the light is!

Gravity is working against me
And gravity wants to bring me down

Oh I'll never know what makes this man
With all the love that his heart can stand
Dream of ways to throw it all away

Oh Gravity is working against me

John Mayer "Gravity"

domingo, março 11, 2007

Para a "minha" barmaid favorita... a ver se percebemos coisas diferentes ;)

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Andresen "Porque"
(este foi um dos poemas que me pediram para declamar no dia da mulher durante uma aula do mestrado)

quarta-feira, março 07, 2007

Janis Joplin - Cry Baby (live in toronto 1970)

(Ao limpar o pó aos velhinhos vinil regressei por momentos à adolescência... este Cry sempre significou, para mim, mais grito que lamento... Orgulho de sentir...)

Cry baby, cry baby, cry baby,
Honey, welcome back home.
I know she told you,Honey
I know she told you that she loved you
Much more than I did,
But all I know is that she left you,
And you swear that you just don’t know why,
But you know, honey I’ll always,
I’ll always be around if you ever want me
Come on and cry, cry baby, cry baby, cry baby,
Oh honey, welcome back home.
Don’t you know, honey,
Ain’t nobody ever gonna love you
The way I try to do ?
Who’ll take all your pain,
Honey, your heartache, too ?
And if you need me, you know
That I’ll always be around if you ever want me
Come on and cry, cry baby, cry baby, cry baby,
Oh daddy, like you always saying to do.
And when you walk around the world, babe,
You said you’d try to look for the end of the road,
You might find out later that the road’ll end in Detroit,
Honey, the road’ll even end in Kathmandu.
You can go all around the world
Trying to find something to do with your life, baby,
When you only gotta do one thing well,
You only gotta do one thing well to make it in this world, babe.
You got a woman waiting for you there,
All you ever gotta do is be a good man one time to one woman
And that’ll be the end of the road, babe,
I know you got more tears to share, babe,
So come on, come on, come on, come on, come on,
And cry, cry baby, cry baby, cry baby.
And if you ever feel a little lonely, dear,
I want you to come on, come on to your mama now,
And if you ever want a little love of a woman
Come on and baby baby baby babe babe baby now
Cry baby yeah.

terça-feira, março 06, 2007

Ok, now i' m scared...

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe!
Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
ao fundo dos teus olhos!
Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais!
Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura!
Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos...
Mas tu esqueceste muita coisa!
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha - queres ouvir-me? -,
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;
ainda oiço a tua voz:

Era uma vez uma princesa
no meio de um laranjal...

Mas - tu sabes! - a noite é enorme
e todo o meu corpo cresceu...Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,
Não me esquecerei de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas...

Boa noite. Eu vou com as aves!

Eugénio de Andrade "Poema à Mãe"

E quando ele vem atrás de nós?

“O destino costuma estar ao virar da esquina. Como se fosse um gatuno, uma rameira ou um vendedor de lotaria: as suas três encarnações mais batidas. Mas o que não faz é visitas ao domicílio. É preciso ir atrás dele.”

Carlos Ruiz Zafón “A Sombra do Vento”