terça-feira, julho 31, 2007

Finalmente... Férias...

Este foi um ano único... completo de dissabores, desgraças, infelicidades, correrias intermináveis... de falta de tempo para mim e para aqueles por quem daria a minha vida... Mas este foi, também, um ano em que profissionalmente me excedi (dormi quase nada, trabalhei o mais que pude)... e pessoalmente só teria (se fosse religioso) que me sentir abençoado por todas as manifestações de carinho que me dedicaram algumas pessoas...

Fica deste ano um obrigado a todas as pessoas que o fizeram valer a pena... Todas as satisfações que dele tirei tem uma dedicatória especial... às amizades novas que apareceram na minha vida, às amizades de sempre e às antigas que reencontrei... Não mereço tanto, por isso menciono fugazmente os vossos nomes... em mim estarão sempre gravados...

(sem nenhuma ordem especial) Obrigado: Patricia, Filipa, Filinta, Zé, Rogério, Eva, Silvia, Sara, Jaime, Marta, Feio, Filomena, Bárbara, Rita, Luisa, Susana, Isa, Paulina, Jorge, Luis, Mónica, Mi, minha Mãe, meu Maninho...

Beijos e mais beijos...

sexta-feira, julho 27, 2007

História de vida de toda a gente...

free music



I didn't mean to treat you so bad
You shouldn't take it so personal
I didn't mean to make you so sad
You just happened to be there, that's all
When I saw you say "goodbye" to your friends and smile
I thought that it was well understood
That you'd be comin' back in a little while
I didn't know that you were sayin' "goodbye" for good

But, sooner or later, one of us must know
You just did what you're supposed to do
Sooner or later, one of us must know
That I really did try to get close to you

I couldn't see what you could show me
Your scarf had kept your mouth well hid
I couldn't see how you could know me
But you said you knew me and I believed you did
When you whispered in my ear
And asked me if I was leavin' with you or her
I didn't realize just what I did hear
I didn't realize how young you were

But, sooner or later, one of us must know
You just did what you're supposed to do
Sooner or later, one of us must know
That I really did try to get close to you

I couldn't see when it started snowin'
Your voice was all that I heard
I couldn't see where we were goin'
But you said you knew an' I took your word
And then you told me later, as I apologized
That you were just kiddin' me, you weren't really from the farm
An' I told you, as you clawed out my eyes
That I never really meant to do you any harm

But, sooner or later, one of us must know
You just did what you're supposed to do
Sooner or later, one of us must know
That I really did try to get close to you

Bob Dylan "One of Us Must Know (Sooner or Later)"

Corações e palavras...

“É banal falar do coração partido. Os corações não ficam partidos; eles continuam a bater, o sangue ainda corre, mesmo nos amargos dias depois da traição. Mas alguma coisa fica quebrada quando sofremos uma dor para além das palavras; alguma ligação que antes existia com a luz e a esperança e as claras manhãs fica cortada e nunca mais pode ser restabelecida.”

Michael Cox “O Sentido da Noite – Uma Confissão”

A maldição dos boatos...

“Era sem dúvida muito conveniente que o rumor ignorante estivesse já a tecer redes de sombra e de mentira em torno da verdade.”

“As mulheres desconfiam imediatamente daquilo que é indeterminado e a sua imaginação depressa começa a transformar as insinuações num facto sólido.”

Michael Cox “O Sentido da Noite – Uma Confissão”

quinta-feira, julho 19, 2007

Oferecido pela setôra Filipa em jeito de comentário...

"Original é o poeta
que se origina a si mesmo que
numa sílaba é seta
noutro pasmo ou cataclismo
o que se atira ao poema
como se fosse um abismo
e faz um filho ás palavras
na cama do romantismo.
Original é o poeta
capaz de escrever um sismo.

Original é o poeta
de origem clara e comum
que sendo de toda a parte
não é de lugar algum.
O que gera a própria arte
na força de ser só um
por todos a quem a sorte faz
devorar um jejum.
Original é o poeta
que de todos for só um.

Original é o poeta
expulso do paraíso
por saber compreender
o que é o choro e o riso;
aquele que desce á rua
bebe copos quebra nozes
e ferra em quem tem juízo
versos brancos e ferozes.
Original é o poeta
que é gato de sete vozes.

Original é o poeta
que chegar ao despudor
de escrever todos os dias
como se fizesse amor.
Esse que despe a poesia
como se fosse uma mulher
e nela emprenha a alegria
de ser um homem qualquer."

Ary dos Santos

segunda-feira, julho 16, 2007

Fantasmas bonzinhos... dedicados a uma pessoa muito especial...

Pedro Abrunhosa "Quem Me Leva Os Meus Fantasmas"

(As palavras estão no video junto com os rostos plenos de expressividade)

domingo, julho 15, 2007

Riscos e entrega...

“Há ocasiões na vida de um homem em que ele tem de colocar o seu destino imediato nas mãos de outro, independentemente do risco.”

“Pelo menos era amplamente reconhecido que ele se tinha casado por amor, o que é uma coisa nobre de fazer para um homem de ambição e meios pessoais limitados. (…) Mas o amor é a justificação de si próprio e, é claro, é irresistível.”

Michael Cox “O Sentido da Noite – Uma Confissão”

sexta-feira, julho 06, 2007

Na minha profissão diz-se trabalhar com o que há...

“Now is no time to think of what you do not have. Think of what you can do with what there is.”

Ernest Hemingway “The Old Man and the Sea”

Porque podemos sempre renascer das cinzas dos falhanços...

“’But man his not made for defeat’, he said. ‘A man can be destroyed but not defeated.’”

Ernest Hemingway “The Old Man and the Sea”

Desejos de elevado grau de dificuldade...

“The thousand times that he had proved it meant nothing. Now he was proving it again. Each time was a new time and he never thought about the past when he was doing it.”

“I wish I could show him what sort of man I am. But then he would see the cramped hand. Let him think I am more man than I am and I will be so.”
Ernest Hemingway “The Old Man and the Sea”

Frases lapidares...

“He did not say that because he knew that if you said a good thing it might not happen.”

“Besides, he thought, everything kills everything else in some way.”

Ernest Hemingway “The Old Man and the Sea”

domingo, julho 01, 2007

Esta noite aconteceu...

Se alguém me tivesse algum dia profetizado que eu alguma vez iria participar num espectáculo de dança, ainda por cima bailado clássico, chamar-lhe-ia louco... pois bem, never say never... (mesmo sem dançar, coisa que jamais saberei fazer bem por muito que queira) já está!