terça-feira, setembro 30, 2008

Mais do que tudo...

“Porque o que é preciso, mais do que tudo, é preservar o poder voltar a amar ainda, escrevi-lhe eu num último postal ao qual ninguém respondeu.”
Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Como as bruxas e o amor...

“E, claro que há a sorte, palavra com que se aponta para uma coisa que não se sabe o que é mas há.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Mas algumas vezes até nos conseguimos entender...

“Falamos sozinhos, só podemos falar sozinhos, cada um a falar numa língua que nunca foi sua, isso é que é, sem a nós próprios nos entendermos e, o que é pior, convencidos que não estamos a falar sozinhos, entretidos na ilusão de nos irmos entendendo.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Nem de ser séria, nem imparcial... ainda ontem uma reportagem da tvi sobre um dentista provou isto mesmo...

“Chamam a isto informação, não é? Nisso a pornografia é bem mais humilde e sensata, acho eu, é menos violenta e não tem a pretensão de ensinar nada.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

terça-feira, setembro 23, 2008

Não é uma má definição, não senhor...

“Seduzir é fácil para quem sabe ser o que os outros desejam e não tem de prestar contas à pesada ilusão a que chamam pessoa. Sou vários e sempre me dei bem comigo.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Chama-se rotina...

“As coisas quando se tornam familiares deixam lentamente de se ver, deixam de incomodar. É a única maneira de as fazer desaparecer. Ele acreditava que era assim que tinha de ser.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Tal e qual o material do IKEA...

“As mulheres são umas éguas. Isto é o que uma amiga me diz, e é verdade. É preciso mesmo saber montá-las.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Olhe que não, olhe que não...

“Sim, podemos ser suficientes para várias pessoas mas somos sempre insuficientes para uma só.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

Declaração de amor...

“Estou hoje contente como quem tem menos por onde sofrer. E ela mais ainda.”

Pedro Paixão “Do Mal o Menos”

terça-feira, setembro 16, 2008

E nunca nos importamos que esteja longe demais...

“(…) porque não deixa de se revelar infinitamente prematura a morte que nos espreita por detrás do reposteiro do quarto.”

Mário Cláudio “Gémeos”

Em relação ao convento já não sei...

“Quando começa uma púbere a enfeitar-se com grinaldas de flores campestres, é certo e sabido que se prepara para abrir as pernas, ou para professar num convento de Carmelitas Descalças.”

Mário Cláudio “Gémeos”

Não é por acaso que lhes chamam misérias...

“Nada existe que mais nos roube o respeito dos comuns do que as mazelas que grassam abaixo da cintura e acima dos joelhos, nem nada que nos torne a nossos próprios olhos mais rebeldes a sofrer a piedade dos irmãos.”

Mário Cláudio “Gémeos”

domingo, setembro 14, 2008

Um final feliz...

“o leitor está prestes a acabar o livro
a leitora veio para fora do livro
a leitora apaga a luz
o leitor aproxima-se dela no escuro

o leitor e a leitora estão a dormir juntos
a vida continua a fluir e o livro fica”
Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”

Como na vida, como na vida...

“Todas as vezes que procuro reviver a emoção de uma leitura anterior, obtenho impressões diferentes e inesperadas, e não reencontro as anteriores.”

Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”

E há tanta coisa que nos passa ao lado...

“(…) a ausência das sensações numa grande parte do campo perceptivo é a condição necessária para que a sensibilidade se concentre local e temporalmente, assim como na música o silêncio de fundo é necessário para que nela se diferenciem as notas.”

Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”

sexta-feira, setembro 05, 2008

O significado de expectativa...

“(…) mas acho que os leu unicamente para neles encontrar aquilo de que já estava convencida antes de os ler.”

Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”

A vida a dois...

“Esta caça apaixona-te porque a fazes juntamente com ela, porque podem vivê-la em conjunto e comentá-la enquanto a estão vivendo.”

Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”

A vida tal como ela é...

“Ora bem, estamos na mesma, mal te parece que estás no caminho certo, logo te encontras bloqueado por uma interrupção ou por um desvio:”

Italo Calvino “Se Numa Noite de Inverno Um Viajante”